sexta-feira, julho 31

BIBLOS.COM



Átila da Silva, pr.
Ferramenta de Estudo.

Conheça um site de pesquisa muito interessante.


Muitas possibilidades: Uma versão de Bíblia em português. Atlas bastante detalhado vinculado ao Google Map. Concordância que possibilita pesquisa de palavras na Bíblia em diversas línguas; possibilidade de comparação entre textos bíblicos e comentários. Enciclopédia bíblica com links para os versos bíblicos, personagens, mapas, e outros. Biblioteca de imagens. Pesquisa de palavras na Bíblia e nos artigos vinculados. Referências cruzadas. Múltipla busca: você digita uma palavra (no caso "Salt", sal) que deseja pesquisar e o site indica conteúdo em dicionários, enciclopedias e textos bíblicos na mesam página. Divesas formas de analítico grego (passe o mouse). Diversos textos de manuscritos gregos e hebraicos disponíveis. Bíblia em ordem cronológica... e muito mais. Vale a pena passar um tempo testando o site. A língua inglesa pode ser uma limitação, mas não desanime. Um tradutor online pode ajudar... Veja 1 2.

UM TOQUE RÁPIDO...

Átila da Silva, pr.

Assista e reflita...

Salmo 40:4: Bem-aventurado o homem que faz do Senhor a sua confiança...

Salmo 56:4 e 11: Em Deus, cuja palavra eu louvo, em Deus ponho a minha confiança e não terei medo...

Provérbios 3:5: Confia no Senhor de todo o teu coração...

_______________________________________________________

Dica recebida do amigo Renan Alencar de Carvalho. Busquei o vídeo, converti-o e adaptei-o para o CONTRA MÃOS.

vídeo original: http://centralchristian.com/henderson/media/

vídeo no Brasil: http://www.youtube.com/watch?v=czXIo4H-4qE&feature=related

sábado, julho 25

O MAIOR PATRIMÔNIO DO CÉU É O PEREGRINO

Átila da Silva, pr.
“O maior patrimônio de um país é o seu povo”
(Gomes da Costa, A. C. Brasil – Criança – Urgente - A Lei.
São Paulo: Columbus/IBPS. 181 p.)

E o do céu???

terça-feira, julho 21

Atenção, Peregrinos!

Alice Osis da Silva

"Nada é mais eficaz para nos afastar do reino de Deus que o orgulho e a autossuficiência".

John Stott in

"A Bíblia toda o ano todo: devocionário".
Ultimato Editora, p.217.

SUGESTÃO DE LEITURA: O capítulo 8 do livro "I Call It Heresy!: Twelve Timely Themes From 1st Peter" (Christian Publications), de Aiden Wilson Tozer: "Was Your Humility Showing Today?" Traduzido como "As Vestes da Humildade", Clic.

PLACA: Átila da Silva especial para o Contra Mãos.

Frase adaptada à nova regra ortográfica.

domingo, julho 19

O PEREGRINO E SUAS ORAÇÕES

Átila da Silva, pr.

Uma expressão que gostamos de usar para nos ajudar a definir "oração" é:

"Conversa íntima e pessoal com Deus".

O peregrino que está iniciando na peregrinação é ensinado por Jesus a começar o relacionamento com Deus por uma conversa íntima, a oração. Vemos isso nos elementos de Sua mensagem registrada em Mateus 6.
Veja a intimidade: o peregrino é levado a abrir seu coração e mostrar sua falta de condições de continuar a caminhada sozinho pelo compartilhar de três aspectos muito pessoais de sua vida. (Mt.6:9-13): v.11 “dá-nos hoje o nosso pão de cada dia”; v.12 “perdoa as nossas dívidas, assim como perdoamos aos nossos devedores” e v.13 “não nos deixes cair em tentação, mas livra-nos do mal (Nova Versão Internacional).
É incrível como Jesus, em poucas palavras, conseguiu enfocar os diversos tipos de necessidades do peregrino - materiais, mentais, emocionais e espirituais. Falando com Deus sobre o que está dentro de si, o peregrino se ouve e se vê, e acaba por perceber quão pequenas são suas inquietações diante do Grande Senhor, a Pessoa certa para abrir seu coração!

Diversas pessoas pensam que o Mestre estava criando um modelo ritual de oração. Isso não é verdade. O peregrino não precisa decorar as frases e fazê-las ouvir diariamente em oração. Talvez no início da caminha. Mas logo entenderá que a conversa íntima o levará ao que realmente importa nessa vida: fazer a vontade de Deus - v.10 “seja feita a Tua vontade” – Aqui, na fé e prática, se alcança a maturidade e intimidade de relacionamento com Ele.

Então, o peregrino maduro, que vive para fazer a vontade do Pai, sabe, por experiência própria, que todas as coisas lhe são acrescentadas, mesmo sem pedir, inclusive o sustento diário; que ele vive uma vida perdoada em Jesus, por isso compartilha perdão e não deixa seu coração ficar pesado na caminhada, e, finalmente, ele sabe que não virá tentação que não seja humana e que Deus dará as condições de permanecer firme no caminho, sem cair ou estacionar.
Logo,
‘Andar como peregrino’ é viver seguro de que, mesmo quando não se consegue murmurar um pedido se quer, somos entendidos e ouvidos por Deus.
v.13 “Porque Teu é o Reino, o poder e a glória para sempre. Amém”.
Fotos:

sexta-feira, julho 17

UM OLHAR SOBRE "A CABANA" - William Paul Young

Átila da Silva, pr.


Saiu na Revista Veja o primeiro lugar de vendas ocupado pela ficção literária "A cabana", do escritor canadense William Paul Young. Alguns têm encarado a obra como um tomo teológico e, a partir daí, elaborado extensas críticas e contestações pensando prestar um serviço à ortodoxia. Porém, gostaríamos de compartilhar outra visão analítica, buscando contribuir com a reflexão que "retêm o que é bom".
Pensamos que o livro deva ser entendido dentro do contexto de sua produção. Young não pensou em fazer um livro comercial, mas um estímulo ao pensamento reflexivo aos seus seis filhos ( I writing a story for my kids[...] ages 15-27 [...] I am not writing a story that intend or expect will be published [...] site).
Pensamos que o livro não deva ser abordado por meio da teologia, pois não se propõe a ser teológico, na essência do termo (Mundo acadêmico). Young diz que "sua ficção deve ser entendida como obra de arte, dentro da qual a verdade pode ser lançada com criatividade" site. "Eu não escrevi uma teologia sistemática, escrevi uma história de ficção para minhas crianças [...] o poder da arte pode penetrar [...] no coração. Incita coisas na alma que não são tão facilmente descartadas".
Pensamos que "A Cabana" precisa ser entendido a partir da Filosofia, ou seja: 1. Alguns aspectos de doutrinas que surgem no livro são apresentados no contexto da atitude filosófica (como temos apresentado aqui no CONTRA MÃOS na sessão "Atitude Filosófica"), ou seja, a citação de doutrina não pretende ser exata, sistemática, mas um instrumento para provocar a reflexão filosófica. 2. O autor fornece ao leitor diversas formas de confrontação do seu cotidiano, da sua forma usual e comum de pensar e ver o mundo. Isso envolve o confrontar da religiosidade eclesiástica engessada (Que existe para preservar-se), da teologia arrogante (Que pretende limitar a Pessoa de Deus às suas formulações dogmáticas) e das pressuposições dogmáticas acerca do que cada um pensa ser A VERDADE sobre a Triunidade Divina, tão comuns nos recônditos evangélicos. Por exemplo: uma figura feminina e negra como Deus Pai. Não é necessário irmos muito longe para perceber o trato com a realidade cultural sobre a questão feminina e sobre o conflito racial, sendo utilizados como forma de confrontação filosófica.

Logo, se você permitir que a atitude filosófica, permeada na trama do livro, atue como contra-ponto de releitura de sua noção de relacionamento com Deus, já valeu a leitura. No mundo evangélico não somos incentivados a pensar, a refletir e a questionar. As forças formadoras buscam uma uniformidade que nunca existirá nesse mundo, nem mesmo doutrinariamente. Isso, entretanto, não anula a busca que o peregrino deve fazer pela pureza da doutrina bíblica, que será encontrada em seu texto e contexto, sabendo que a Bíblia sempre será a Palavra de Deus suficiente para que uma pessoa se encontre e se comprometa com Seu Criador.
Foto tirada em Curitiba quando da visita do autor ao Brasil.
Leia mais na fonte: blog de William Paul Young: http://www.windrumors.com/



FOTO:
William Paul Young in http://portal.rpc.com.br/gazetadopovo/cadernog/conteudo.phtml?id=822536

quinta-feira, julho 16

RUFFLES FILOSÓFICA!

Átila da Silva, pr.

Uma das características marcantes do peregrino (discípulo de Jesus) é a atitude filosófica.
É a capacidade de questionar a si mesmo e ao estado de todas as culturas sociais ao seu redor, inclusive aquela que existe no microcosmo de sua comunidade de fé, sem falar dentro de si mesmo. Essa tarefa só terá êxito e resultará em amadurecimento de vida se retirar os parâmetros para esse questionamento dos princípios de vida de Cristo, compartilhados por Seu amor nas páginas do Novo Testamento (Nova aliança; Segundo Testamento; ...).

Por isso, peregrino, leia, reflita, questione, mude e seja mudado.

Não sabe por onde começar? Sugestão: comprar um pacote de batatas fritas e utilizar as perguntas filosóficas estampadas ali:
  • Por que temos que aceitar as coisas como elas são?

  • Quando as pessoas vão perceber que um mundo melhor depende de cada um de nós?

  • Eu quero fazer a diferença!(?)
Depois, leia Colossenses 3 e encontre os verbos filosóficos: Pensar (v.2); despojar (v.8); despir (v.9); revestir (v.10). Veja a que eles estão ligados.
É interessante que o novo homem diário, resultado da transformação interior, está em constante reflexão e mudança (v.10 - o novo homem se refaz [...] segundo a imagem daquele que o criou - ou seja, Cristo).
Essa mudança interior se dá pela atuação do Espírito Santo, sobre o terreno fértil da abertura de mente primeiro, e depois do coração.
Percebemos que: quanto mais religiosas, menos as pessoas mudam por dentro. Um reflexo (Sem reflexão!) da busca pelo controlável e pela gratificação pessoal com o que se é e faz.
Bem, quem sabe alguém assim, ao comer a Ruffles Filosófica, desperte para o mundo que existe fora de seus próprios interesses e faça a diferença que só um peregrino legítimo pode fazer!
Ouça, reflita, mude...
"Quero rever meus conceitos, e valores... eu quero reconstruir... vou regressar ao caminho... volver às primeiras obras... ao primeiro amor...".
"Andemos em novidade de vida" (Paulo, apóstolo)
Foto: escaneada em casa - Ruffles Chips.
Música: Rebanhão - Primeiro Amor (1987)

sábado, julho 4

POR QUE OS PEREGRINOS AINDA ESTÃO POR AQUI?

Átila da Silva, pr.

"A Igreja, portanto, é a presença de Jesus Cristo por meio de Seu povo, em prol do mundo. Embora provisória, essa presença é real, humana e histórica."
Jacques de Senarclens,
Herdeiros da Reforma,Editora ASTE, p.357.

Quando buscamos algo que nos leve a entender o objetivo da permanência da Igreja de Jesus nesse mundo, encontramos a sua vocação para ser sal e luz na vida daquelas pessoas sem relacionamento pessoal com Deus. Isso por meio das obras que ela faz. Seu compromisso com Jesus é expresso todos os dias a partir de cada nova obra realizada, pois todo peregrino foi criado em Cristo Jesus para as boas obras (Ef.2:10).
É interessante vermos a maneira como João relaciona as obras que uma pessoa realiza ao seu estado espiritual. O peregrino sabe dessa realidade:

O julgamento é este: que a luz veio ao mundo, e os homens amaram mais as trevas do que a luz; porque as suas obras eram más... Pois todo aquele que pratica o mal aborrece a luz. Quem pratica a verdade aproxima-se da luz, a fim de que as suas obras sejam manifestas, porque feitas em Deus”. João 3:19-21 (RA - grifo meu)

É fácil encontrarmos peregrinos reunidos à beira do caminho, parados, conversando, exercitando a imaginação sobre como a eternidade será maravilhosa, como serão as 'ruas de ouro', os carros de fogo, os semáforos com uma única cor (verde esperança, of course!). Outros multiplicam ajuntamentos que investem no prazer de fazer parte daquele grande grupo estacionado, de ouvir boa música, de deixar suas emoções aflorarem em espaço 'lícito, aprovado e epiritual'. Logo veremos peregrinos tendo idéias de como fazer com que aquele local de parada seja mais agradável e atenda a necessidade de todo peregrino que estacionar ali. Então, suas forças para a peregrinação são canalizadas para realizar obras de infraestrutura, não de vida para vidas.

Isso é tão comum: peregrinos que esquecem o porquê estão aqui.

Talvez seja por isso que comunidades de fé compartilhem tanta escuridão e egoísmo!

O que suas obras têm falado sobre você?
Reflita e seja peregrino!