sábado, novembro 28

Redefinindo o que é Igreja.

Átila da Silva, pr.

Muitas pessoas ainda não conseguem separar o templo, a denominação e o ajuntamento social do conceito neo-testamentário de Igreja de Jesus. O vídeo abaixo tenta dar uma sugestão de resolução deste dilema.

Dê sua opinião: Será que o vídeo está correto em suas colocações sobre a Igreja segundo o Novo Testamento?

video

quarta-feira, novembro 18

QUESTÕES DE FÉ

Átila da Silva, pr


Este teste muito interessante sobre religiões e fé foi idealizado por Katja Pabel, articulista de Seleções Reader's Digest. Diz Pabel que "se a fé pode mesmo remover montanhas, este talvez seja um caso polêmico. Uma coisa, porém, é certa: a fé religiosa pode nos proporcionar esperança e a sensação de fazer parte de uma comunidade. No entanto, outra coisa que a fé sempre fez foi dar margem a disputas sangrentas entre os seguidores de diferentes religiões. Infelizmente, pouca coisa mudou a esse respeito desde as Cruzadas, embora as facções em luta não sejam mais as mesmas. Isto é particularmente lamentável, porque a maioria das pessoas sabe muito pouco sobre a religião de seus supostos adversários".

 É certo que ninguém que acalenta dogmas sobre o universo transcendente, sagrado, pensa que a estrutura de sua confissão de fé seja débil ou prejudicial em qualquer aspecto. Pelo contrário. Quando o caminho da fé serve como instrumento do egoísmo e do orgulho assassina o seu propósito mais essencial: viver sob a prática do amor e do altruísmo. Nenhuma vertente doutrinária religiosa abre mão dessa premissa básica.

Bem, espero que você se permita ser transformado pela fé e não moldar a fé pela opressão do possuir contra o ser.

Quanto você sabe sobre as cinco grandes religiões do mundo: cristianismo, islamismo, hinduísmo, budismo e judaísmo? Verifique seus conhecimentos com o teste de Pabel:


1. O que significa o termo “haji” no islamismo?
a) o mês anual do jejum
b) a obrigação do fiel de fazer boas ações
c) a peregrinação a Meca que todos os muçulmanos são obrigados a fazer


2. Tanto budistas quanto hinduístas acreditam no “samsara”. Que é isto?
a) status social inato
b) ciclo de nascimentos e mortes repetitivos; reencarnação
c) a comunidade dos fiéis

3. Qual a maior comunidade religiosa do mundo?
a) cristã
b) islã
c) hindu

4. Que monarca fundou uma igreja própria para poder se divorciar da esposa?
a) Henrique VIII
b) Frederico I Barba-Roxa
c) Alexandre, o Grande

5. Em que ano teve início a Era Islâmica?
a) 622 d.C.
b) 257 a.C.
c) 162 d.C.

6. No simbolismo judaico, o candelabro de sete braços desempenha um papel importante. Como é chamado?
a) quipá
b) menorá
c) chuzpe

7. Quando é o Domingo de Páscoa?
a) no primeiro domingo depois da primeira lua cheia após o início da primavera
b) ao fim da 15ª semana do calendário
c) no primeiro domingo depois da quarta lua cheia do ano

8. Que aspecto religioso reverencia a vaca como um animal especial?
a) budismo
b) islamismo
c) hinduísmo

9. Que papel Jesus desempenha no islamismo?
a) nenhum
b) o de um profeta
c) o de filho de Deus

10. Sobre o que se fundamenta o budismo?
a) as Quatro Nobres Verdades
b) os Cinco Mandamentos de Buda
c) os Dez Níveis de Iluminação

11. Qual a mais antiga religião monoteísta (que adora apenas um deus)?
a) cristianismo
b) judaísmo
c) islamismo

12. Em qual desses países não há separação entre Estado e religião?
a) Turquia
b) África do Sul
c) Irã

As respostas completas podem ser encontras em: http://www.4shared.com/file/155032073/e2a7e0b6/CONTRA_MOS_questes_de_f.html



1.Islamismo,
Meca - cidade sagrada.



2. Hinduísmo, Varanasi,
cidade sagrada.





3. Budismo, Borobudur - Indonésia.

 
 





Ilustração de Tom Mackinger in Seleções Reader's Digest.

terça-feira, novembro 3

A ESPERANÇA É A ÚLTIMA QUE MORRE...?

Átila da Silva, pr.

A famosa frase já faz parte da recitação automática da maioria das pessoas quando o assunto é uma fase ruim, um acontecimento triste ou o aumento do custo da cesta básica. É aquela tentativa nossa de fazer uma confissão positiva, de atribuirmos à simples recitação de um pensamento o poder transcendente de modificação do agora e do futuro.

Pensar que a esperança é a última no paredão de fuzilamento do inesperado, do imponderável e da vicissitude não traz real alento, apenas ameniza, por breve tempo, a ansiedade.

Ainda, essa frase tem sua origem numa expectativa de plano humano, desencadeada a partir do nosso próprio coração, sem uma ligação com Alguém que realmente possa ajudar na nossa tarefa de refletir a vida e discernir o momento em que se usufrui da vivência negativa. Então, a "esperança é a última que morre" já nasce com um pé na cova!

O peregrino, discípulo de Jesus, também participa dessa dinâmica de desesperança como qualquer ser humano. Pode sofrer o assalto de pensamentos tão desalentadores que se sinta abatido e desmotivado.

Na verdade, não existe alguém mais consciente de sua humanidade que o peregrino. Isso se dá pelo relacionamento pessoal que desenvolve com Deus. 1

Enquanto falsas teologias em nosso país apontam diversos caminhos como resposta aos dramas da vida (prosperidade material; ascendência na estrutura hierárquica da instituição religiosa; a adaptação de mandingas sincretistas, a ação independente do 'quem sabe faz a hora não espera acontecer'; etc...) somente Cristo muda o nosso ser interior. É aqui que precisamos experimentar transformação (Rm.12:2 - renovação da mente; Cl.3 - despojar, revestir), pois as situações da vida já estão sob Seu controle. Logo, o peregrino, que se vê também debaixo de Sua mão de poder, entende que não precisa viver ansioso por coisa alguma, pois está seguro andando com o Mestre.

Para o peregrino a esperança é a primeira e a última que nunca morre, pois ela repousa unica e exclusivamente em Cristo Jesus e Sua Palavra!




OBSERVAÇÕES:

1. Veja essa realidade descrita pelo apóstolo Paulo:

Ele fala de duas regulações em ação dentro do peregrino. A primeira remete o discípulo à normalidade da independência, do egoísmo e do desespero (A lei do pecado). A segunda rema contra a maré e aponta o caminho da dependência, do negar-se a si mesmo e da esperança EM Cristo. Paulo utiliza um verbo grego muito interessante para descrever o embate que existe entre as duas regulações: antistratéuomai.

Embora a sua única ocorrência no Novo Testamento seja aqui, encontramos o verbo não preposicionado (stratéuomai) que pode ajudar-nos a entender melhor a que o apóstolo está se referindo. A figura é uma campanha de guerra, onde os soldados estão em plena ação dentro do campo de batalha (2Tm.2:4; 1Tm.12:18 e 2Co.10:2,3). Então, o peregrino está consciente que dentro de si existe uma luta feroz pelo controle dos sentimentos e dos pensamentos. Ela é tão forte que leva o apóstolo a expressar dramaticamente essa realidade: "Desgraçado homem que sou! Quem me livrará desse embate?".

A resposta para sua pergunta é a verdadeira esperança para cada um dos peregrinos:


Abraço.