segunda-feira, dezembro 28

REFLEXÃO SOBRE O DESTINO DA AMÉRICA LATINA

Átila da Silva

Pensarmos sobre questões ligadas ao aqui e agora ajuda a libertarmo-nos das visões do egoísmo ensimesmado, da sacralização do grotesco consumismo como instrumento de explicação da dinâmica teológica do relacionamento Deus-homem e homem-Deus, e da obviedade insana da busca pela felicidade própria como vocação desse cristianismo evangélico.

Como introdução ao que o professor Eduardo comenta e ilustrando nossa colocação inicial, lembramos das afirmações dos escritores-teólogos, muito bem considerados em nossa nação, Max Lucado, John McArthur e Bob Jones, no Larry King Show. Estes sairam em defesa do modo de vida americano (American way of life), abraçando a guerra como forma de expressão cristã. Será que pensaremos como eles?
video

Fonte:

Larry King: http://transcripts.cnn.com/TRANSCRIPTS/0303/11/lkl.00.html ; assista ao vídeo dessas declarações (em espanhol) in http://www.youtube.com/watch?v=gM-rKg7LKwI
Eduardo Galeano: http://transcripts.cnn.com/TRANSCRIPTS/0303/11/lkl.00.html

2 comentários:

MULHER VIVA disse...

O Profo.Galeano diz: "Somos caricaturas tristes.." e desafia-nos a gerar uma identidade voltada ao importante ou seja voltada á pessoas.Parece obvio, mas, porque não conseguimos mudar o jeito de agirmos? nem mesmo na época de natal paramos para propor um renovo.Renovo na mentalidade, nas ações, no compromisso com o outro, na santificação.
Como o Dr.Galeano menciona no seu livro " As veias abertas da América Latina " a falta de identidade leva-nos a falta de compromisso. Talvez podessemos começar com a seguinte questão:
Somos povo latino-americanos ainda com veias abertas.
Naiá Duarte

Sandro e Marilene disse...

Realmente, a guerra sempre foi a forma de "expressão cristã". Basta ler a história do cristianismo a partir do século IV e tentar discordar(confesso que tentei).
Só gostaria de saber o que toda essa matança tem a ver com o Evangelho de Jesus ?

Abraço do Sandro