quarta-feira, setembro 15

SER...PARA FAZER...

Átila da Silva para o CONTRA MÃOS

Dois irmãos protagonizaram uma das histórias da vida real mais famosa do mundo.
O seu relacionamento familiar foi abalado por um grande conflito interpessoal, que findou-se de maneira trágica.  
O contorno do ambiente desse embate se formou a partir de manifestações de espiritualidade e se completou na doença relacional fatal.
O livro bíblico do Gênesis (CAPÍTULO 4) relata que Caim e Abel tiveram as mesmas oportunidaes de vida. Escolheram suas profissões e relacionavam os frutos de seu trabalho à sua espiritualidade, expressando o elo espiritual imprescindível para uma vida de qualidade.

(1)
Infelizmente, Caim esqueceu-se de que ser vem antes de fazer, que as ações são fruto da vida pessoal interior, e que oração, culto, celebração, oferenda são necessidades humanas e não divinas.
Alguns erroneamente pensam que o que levou Deus a rejeitar Caim foi o conteúdo da sua oferta. Mas o texto original revela que ele não foi aceito porque não fez a sua oferta com inteireza de coração, como alguém que está realmente agradecido e alegre por conviver e poder dar o presente a um amigo íntimo (2).
Caim tinha ciúmes de seu irmão (talvez do relacionamento espitirual que o irmão mostrava ter) e queria obter um aliado para confirmar a 'razoabildiade' desse seu sentimento... no caso, Deus! 
Como poderia existir um sentimento assim destrutivo no ambiente da espiritualidade?

Algumas lições saltam aos olhos:

a. Espiritualidade é exercitada de dentro do coração para Deus e depois para o próximo.
b. "Ambiente de espiritualidade" (templo, reuniões, culto, etc.) é reflexo do meu relacionamento pessoal com Deus.
c. Minhas atitudes em meus relacionamentos interpessoais nunca são esquecidas ou deixadas de lado por Deus.
d. Deus nunca me apoiará (estará ao meu lado) quando eu praticar o que é mau.
e. Os relacionamentos dentro de casa (Família) testemunham acerca de meu relacionamento com Deus.
f. Não posso ocultar os pecados cometidos no encontro com Deus.
g. Confessar minhas limitações, sentimentos, pecados, tristezas e quaisquer coisas que impeçam meu relacionamento com Deus é o primeiro passo para uma espiritualidade verdadeira e saudável.

O melhor caminho é não se deixar levar pelos sentimentos de competição, auto-afirmação e orgulho, pois certamente se aplicará a nós a frase confrontadora:

"Se você fizer o correto, não será aceito?
Mas se não o fizer, saiba que o pecado o ameaça à porta;
ele deseja conquistá-lo, mas você deve dominá-lo"
(3) 

NOTAS:
(1) Retábulo da capela de Ghent, onde se vê o entalhe de dois momentos de Caim e Abel. "Retábulo" é uma construção de madeira (ou mármore, ou de outro material), com lavores, que fica por trás e/ou acima do altar em um templo, e que, normalmente, encerra um ou mais painéis pintados ou em baixo-relevo. http://en.wikipedia.org/wiki/Ghent_Altarpiece

(2) O grau Hiphil do verbo yātav indica que Caim "não fez acontecer a oferta com alegria, com regozijo". A sequência do texto deixa claro isso. Note que no verso 12 Deus não diz a Caim que ele deveria mudar de ramo de atividade, mas que sua profissão iria se tornar muito mais difícil como resposta daquele seu ato. O problema não foi o sacrifício de sangue X sacrifício de colheita... foi o coração.

(3) Nova Versão Internacional (NVI). Grifo nosso.

Um comentário:

Hermes C. Fernandes disse...

Olá Átila e Alice!

Parabéns pelo belo trabalho apresentado aqui no blog. Já estou seguindo!

Aproveito para lhes convidar a conhecer o meu blog, e se desejarem também segui-lo, será uma honra. Seus comentários serão sempre bem-vindos por lá.

www.hermesfernandes.com

Juntos pelo reino!