quinta-feira, março 4

NÃO ME ARREPENDO DE NADA...

"Não me arrependo hoje, absolutamente, de nada que cometi no passado, nem mesmo os erros mais crassos, seja contra o Mestre, contra as pessoas ou contra mim mesmo. Não por falta de temor ou arrogância, mas porque sempre zelei por buscar o lugar de arrependimento assim que tropeçava. Então, cada falta tem sua própria cota de dor, arrependimento e reconstrução. Todo arrependimento que persiste, revela uma falta de consciência de quem eu sou e de Quem é o Mestre. Muitas vezes sou rasgado por lembranças que gostaria de apagar da memória. E é nesse momento que as confronto com verdades que vivo todos os dias, como a Graça que me perdoa e me faz novo a cada minuto. Não posso mudar o passado, e nem suas consequências. Mas arrepender-me repetidamente por algo que já foi confessado não é sinal de vida de peregrino, mas de dogmatismo religioso, que precisa 'pagar' pelo que fez para alcançar remissão e o direito de andar de cabeça erguida.
Não posso me arrepender... porque já fiz isso.
Posso me arrepender agora... e buscar viver a vida do Mestre em mim agora.
Não por quaisquer outras exigências além do amor agradecido que brota de um coração transformado... HOJE... AGORA". (Átila da SIlva, 2010).