terça-feira, maio 4

HOJE SONHEI COM O MUNDO E COM O ENCONTRO COM O MESTRE

Átila da Silva para o CONTRA MÃOS

Hoje tive um sonho muito especial.
Creio que o Mestre pode conversar com o peregrino a partir de um sonho, desde que este não esteja sugestionado, ou seja, apresente ligação com alguma situação recém vivida, a conversas entabuladas antes do sono, a traumas ou forte excitação emocional experienciadas  
------
Vi-me dentro de um super navio completamente corroido pelo zinabre. A ferrugem existia até nas paredes do lugar onde eu habitava. Eu sabia no sonho que o navio representava o mundo. Encontrei-me com centenas de pessoas desorientadas, outras correndo atarefadas, algumas festejando em busca de alegria... fui levado a resgatar muitas pessoas da alienação mental em que viviam. Elas tinham convicção de que aquele navio era o único lugar para se estar. Aquele 'mundo' era o ideal para todos... Busquei pessoas aterrorizadas por homens com espadas nas mãos, gente presa por eles, mulheres e homens que viviam para satisfazer suas ordens. Travei grandes lutas e consegui ver Deus libertando muitas pessoas.
Finalmente, num instante, percebi que não empunhava mais a espada e sabia que era hora de deixar aquele navio. Desci até uma abertura no casco e lancei-me nas águas. Cheguei a um pequeno pier (Uma daquelas viagens rápidas entre lugares). Algumas pessoas estavam lá. Meu amigo Marco Aurélio Formoso me aguardava ali e dirigindo-se a mim disse: "- É aqui mesmo, pastor, vamos esperar o nosso barco".
Logo, ao longe, pude ver um pequeno barco de passageiros, de um azul celeste inacreditável, chegando perto do pier. Todos atiraram-se nas águas, mais uma vez, e logo nos viámos dentro do barco.
-------
Acordei vivenciando uma alegria tão maravilhosa, tão especial, que não encontro referência alguma em minha história de vida. Era uma consciência plena, uma segurança total, um saciamento profundo, uma certeza e gozo não humanos.
Também recebi um discernimento, logo que orei agradecendo aquela experiência tão especial para mim. O imenso navio enferrujado representava o mundo que está se desfazendo. Dentro dele as diversas realidades da sociedade de opressão, dominação e alienação espiritual das pessoas. A espada era a Palavra de Deus. Os embates, todos de ordem espiritual. As libertações, a Graça de Deus em ação em mim e através de mim - instrumento. O desaparecimento da espada: o momento em que a minha tarefa havia terminado. A água: o desapego e a entrega à nova direção do Mestre. O encontro com meu amigo e outras poucas pessoas naquele pier... não sei dizer o que é.
Só posso dizer que nunca vivenciei um sentimento tão maravilhoso em minha vida.
-----
LIção: A peregrinação é vivida num mundo que se desenvolve através de um ambiente corroido e corrozivo. A atuação da ilusão e do aprisionando das mentes é bem explicado pelo apóstolo Paulo:
* 2Co.4:3-4 - Mas, se ainda o nosso evangelho está encoberto, é naqueles que se perdem que está encoberto, nos quais o deus deste século cegou os entendimentos (mente, raciocínio) dos incrédulos, para que lhes não resplandeça a luz do evangelho da glória de Cristo, o qual é a imagem de Deus.
* Ef.2:1-3 - Ele vos vivificou, estando vós mortos nos vossos ("corrozivos") delitos e pecados, nos quais outrora andastes, segundo o curso deste mundo ("navio"), segundo o príncipe das potestades do ar, do espírito que agora opera nos filhos de desobediência, entre os quais todos nós também antes andávamos ("obedecíamos")  nos desejos da nossa carne, fazendo a vontade da carne e dos pensamentos (mente); e éramos por natureza filhos da ira (de Deus), como também os demais. 

O peregrino não pode deixar-se levar, não pode fincar raízes nesta terra, pois sua esperança está no Mestre e depende unicamente dEle.
Realmente, a peregrinação é uma luta espiritual onde a Espada do Espírito precisa Ser usada. E não nos chama a atenção o constante desprezo pelo estudo e pela prática da Palavra que temos visto dentro de nossas comunidades de fé?

Quanto menos contato com a Palavra de Deus, menos luta espiritual autêntica será vivida.

A luta legítima para o peregrino é por pessoas, por sua libertação, por sua salvação, assim como o Mestre insistentemente ensinou!
Abraço.