segunda-feira, julho 5

LIVRANDO-SE DOS PESOS... LIMPANDO O PRESENTE

Átila da Silva para o CONTRA MÃOS

Todos vivemos relacionamentos interpessoais o tempo todo. O contato com pessoas é inevitável. Na verdade, o Evangelho de Jesus foi elaborado para funcionar em meio a uma estrutura relacional, ou seja gente com gente, todos iguais em uma relação interpessoal horizontal, sem hierarquias. É aqui que tenho a oportunidade de ver o poder de Deus em ação em mim e através de mim.
Todos sabem que isso não é fácil, nem simples. Quando nos relacionamos estamos à mercê de muitos conflitos, isso porque nos encontramos em estágios diferentes de fé e amadurecimento. As feridas são inevitáveis.

Como agir diante disso?

“Todos dizem que perdoar é um idéia encantadora, até que tenham algo para perdoar" (C. S. Lewis, Mere Christianity - New York: Macmillan Publishing, 1981, p.97 apud Richard J. Vincent in http://www.theocentric.com/)O sermão do monte (Mt.5-7) destaca duas atitudes como obrigação irrefutável do discípulo verdadeiro: o altruísmo e o amor prático. Podemos vê-las pelos quatro cantos desses capítulos. Jesus nos leva a uma condição de entrega de direitos, de busca do próximo, de doação, de edificação, de respeito e de generosidade colocada sempre como uma 'porta aberta' para reconciliação e investimento no crescimento do meu próximo.

Há muito, decidi lembrar-me do que de bom recebi das pessoas e mantê-las em minha história na 'galeria do bem', esvaziando as prateleiras das ofensas recebidas, do desamor, das feridas de alma. Penso que só assim, poderei ver minha espiritualidade florescer, e sentir o bom perfume de Cristo um pouco mais marcante em meio aos meus relacionamentos.
O caminho natural passa pelo desprezo, pela rejeição e pelo 'olho por olho'. A nossa tendência é permanecer 'mastigando o jiló' da ofensa recebida. Isso azeda a vida e instrumentaliza a doença de vivermos do passado no presente. Um peso imenso vai se acumulando, porque não podemos mudar este passado.

Comumente, a 'pessoa-fonte' de nossa machucadura continua sua vida, mas nós nos mantemos aprisionados à experiência frustrante, de dor, que ressoa hoje com força ainda maior.
Mas quando o coração do discípulo entrega seu orgulho pessoal e abre espaço diariamente para o investimento exigente de Cristo, acaba por conquistar toda sorte de novas perspectivas e oportunidades para crescimento pessoal.
A ofensa perde o seu poder!

Então, em vez de carregar os pesos das ofensas, escolho a leveza do fardo do Mestre, que mesmo sendo ultrajado optou conscientemente por não contaminar-Se pela atitude dos ofensores. Quero ter a alma leve para que o Espírito Santo 'me sopre' suavemente para onde ele quiser. Deixar a mente e coração serem cheios de tudo o que é verdadeiro, respeitável, justo, puro, amável, de boa fama, nos mergulha na paz de Deus (Fp.4:8,9).

Isso não é nada fácil! Mas precisamos continuar pedindo, todos os dias, a capacitação e a oportunidade para doar aos outros, amigos ou 'inimigos', o altruísmo e o amor prático que recebemos e aprendemos de Cristo. Meu coração, leve, está aberto a todos. Sei que os dons que tenho são necessários na vida das pessoas e quero disponibilizá-los para abençoar, até mesmo, aquele que não deseja me aceitar ou não pretende receber meu investimento espiritual ou emocional...

AGENDE ISSO PARA HOJE!

FONTE:
Drawings de Goya:
http://www.louvre.fr/llv/oeuvres/detail_notice.jsp?CONTENT%3C%3Ecnt_id=10134198673226385&CURRENT_LLV_NOTICE%3C%3Ecnt_id=10134198673226385&FOLDER%3C%3Efolder_id=9852723696500829&baseIndex=171&bmLocale=en