quinta-feira, julho 19

Meu time... minha vida

Átila a Silva para o CONTRA MÃOS


A paixão pelos esportes está ligada ao sentido primitivo de competição que existe entre os seres humanos em seus relacionamentos interpessoais. A identificação com clubes de basquete, futebol, vôlei, futebol de salão, badminton (e outros, rsrs), promove a sensação de prazer a cada experiência de vitória que as agremiações  proporcionam. Se há derrota, o torcedor  vive o luto correspondente, mostrando que o ocorrido afeta um item que envolve alta consideração em sua escala de valores. Isso é saudável, se vivido com discernimento. A consciência de que nosso valor pessoal não está ligado à dinâmica 'vitória-derrota' de um time é essencial para se manter o equilíbrio.
Algumas pessoas não conseguem compartimentalizar essa experiência, ou seja, não a percebem como apenas um detalhe da vida. Se não conseguem ver-se maior ou além do clube que 'defendem', chegarão certamente a lançar-se para enfrentamentos com outros torcedores, indo mesmo até às últimas consequências!
Usar a camisa do clube é vestir 'um manto sagrado'. Cantar o hino de cor é base de fé, identificação e pertencimento. "Meu clube, minha vida"!
Podemos ver pessoas assim vestidas, paramentadas, identificadas por camisetas de clubes até mesmo em celebrações de comunidades de fé. Não é a falta do que vestir. É um pouco de si naquele brasão... é a autoafirmação que acompanha um grupo de pessoas que ele admira... idolatra...
Gostaria de ver os discípulos de Jesus com tamanha identificação. Sem dúvida a nossa camisa retrataria a luz e o sal. E nosso 'grito de guerra' seria feito das palavras do Mestre:

"Vocês são a luz do mundo. Não se pode esconder uma cidade construída sobre um monte. E, também, ninguém acende uma candeia e a coloca debaixo de uma vasilha. Pelo contrário, coloca-a no lugar apropriado, e assim ilumina a todos os que estão na casa. Assim brilhe a luz de vocês diante dos homens, para que vejam as suas boas obras e glorifiquem ao Pai de vocês, que está nos céus".
Vamos viver essa verdade!

FONTE:
1.foto: decolalinks.com
2. foto: zionsaltandlightjournal.blogspot.com
2. Evangelho de Mateus 5:14 a 16 (NVI).

6 comentários:

Sandro e Marilene disse...

Excelente síntese. Moderação é o segredo do "sucesso".
Abração Átila pr

Edivaldo disse...

Reverendo,
"Τον αγωνα τον καλον ηγωνισμαι τον δρομον τετελεκα την πιστιν τετηρηκα". A luta é o segredo, acabe, guarde.
Posso dizer participei.
Um abraço.

Átila e Alice disse...

Olá caros Sandro e Mari,
é muito bom tê-los participando no CONTRA MÃOS. Continuem ajudando a ampliar as reflexões. fiquem à vontade.
Pensando em moderação: ao ler sua menção dela, lembrei-me de dois textos que nos ajudam a refletir: Filipenses 4:5 (Seja a vossa moderação conhecida de todos os homens, perto está o Senhor.) e 2Tm.1:7 (Porque Deus não nos tem dado espírito de covardia, mas de poder, amor e moderação). Vamos continuar vivendo essa maravilha!
Abração a vocês, caros irmãos.
No amor do Mestre,
Átila

Átila e Alice disse...

Olá, caro Edivaldo, obrigado por mais uma participação especial no CONTRA MÃOS.
Sem duvida, o exemplo de Paulo nos inspira: "Empenhei-me na boa batalha. Terminei o curso da vida. Guardei a fé" (2Tm.1:7 - tradução pessoal). Temos adiante de nós inúmeras oportunidades para sermos tudo o que Deus quer que sejamos. Temos à disposição a luz e o poder do Espírito Santo para nos ajudar nesse intento. Apenas precisamos continuar caminhando no bom caminho... no caminho estreito de Jesus... negando-nos a nós mesmos, tomando a cruz e transformando a teoria em atos de amor prático em favor do próximo para a glória de Deus (Mt.5:15,16).
Abração.
No amor do Mestre,
Átila

Sandro e Marilene disse...

Grande Átila pr.
Prazer em falar com você através do blog. Feliz por você ter entendido a colocação da palavra "sucesso". Penso que este texto expressou exatamente os pensamentos meus e da Mari.
Sou sócio do Santos Futebol Clube(e nem sou santista), somente pelo "prazer" em assistir a uma partida de futebol em loco. O que mais me entristece é ver a torcida "se matando" por não entender o "espírito" do jogo. Penso que o modo de produção capitalista tem influenciado grandemente as mentes menos privilegiadas,fazendo delas verdadeiras marionetes e, obviamente, os pseudo-torcedores entraram de cabeça.
Abração

Nele, que nos faz entender que podemos estar no coração e longe dos olhos.

Átila e Alice disse...

Sim, meus caros Sandro e Marilene,
agradeço ao Senhor por estar com vocês no mesmo Caminho estreito. Tenho falado na Igreja Batista da Borda (www.borda.org.br). Tem umas mensagens e estudos que já fiz por lá. Penso que pode edificar... abração com saudades.
No amor do Mestre,
Átila