sábado, outubro 4

A Tristeza da Homenagem Póstuma: precisa?

Átila da Silva para o CONTRA MÃOS


As homenagens entabuladas, pós mortem, em reuniões e cultos são um recurso imaginativo que objetiva as manifestações de desencargo dos pesos interiores àquelas pessoas que, durante a vida, não conseguiram parar para reconhecer o valor de alguém.

Essa atitude reforça uma tradição centrada no pretenso consolo de quem ficou. Tradição eficaz? 

Mas,
a oração, o abraço e o choro compartilhados são suficientes para mostrar nossa empatia cristã para com aqueles que ficaram, pois quem partiu está com o Senhor. Agora, o milagre do sossego d'alma será uma dádiva somente possível à amabilidade constante e poderosa do Espírito Santo, vivida no dia a dia da solidão "do depois" das cerimônias, placas, memoriais e homenagens.

Assim, os pretensos cultos de louvor ao Senhor e as palavras de apreciação e destaque em sites e páginas nas redes sociais, que surgem oportunistas no momento da morte de alguém, deveriam perder sua naturalidade.

O natural é multiplicar-se em vida, na convivência compromissada de comunidade de fé, no reconhecimento da diferença que a pessoa faz no plano de amor do Pai hoje, agora, degustando a sua existência por meio do elogio, da palavra que revela discernimento acerca da sua importância em nossa vivência cristã, na oração de alegria, pela entrega de flores em vida, pelo partilhar da esperança e aspiração pelo que é eterno, pela casa do Pai (1).

Não almeje receber homenagens póstumas. Que palavras de louvor ao Senhor, abraços de carinho e reconhecimento, o beijo de irmão, as flores e tudo mais que poderia servir ao ritual sem sentido sejam oferecidos já. 

Não sendo possível, que as pessoas remetam as homenagens e os reconhecimentos, em forma de singela oração particular, Àquele que fez de um inútil pecador, um filho que pôde servir e finalmente sentar-se à Sua mesa de Graça na eternidade.


Nosso louvor e nossa alegria ao Pai por termos o privilégio de viver a experiência de misericórdia e fé, de sermos transportados do império das trevas para o Reino do Filho do Seu amor, de termos servido ao Seu propósito e às pessoas nesse compromisso de amor prático, apesar da limitação da humanidade atroz que tantas vezes nos fez agir como desalmados sem compromisso com Ele...

Nosso agradecimento por sermos nEle... 
Isso já é mais que suficiente...
Louvem ao Senhor comigo...
__________________________________________

Romanos

8.18 Considero que os sofrimentos do presente não se podem comparar com a glória que será revelada em nós...

8.22 Pois sabemos que toda a criação geme e agoniza até agora, como se sofresse dores de parto; 
8.23 e não somente ela, mas também nós, que temos os primeiros frutos do Espírito, também gememos em nosso íntimo, aguardando ansiosamente nossa adoção, a redenção do nosso corpo...

8.28 Sabemos que Deus faz com que todas as coisas concorram para o bem daqueles que o amam, dos que são chamados segundo o seu propósito...

8.35 Quem nos separará do amor de Cristo? Será tribulação, ou angústia, ou perseguição, ou fome, ou privação,* ou perigo, ou espada? 36 Como está escrito: Por amor de ti somos entregues à morte todos os dias; fomos considerados como ovelhas para o matadouro. 37 Mas em todas essas coisas somos mais que vencedores, por meio daquele que nos amou. 38 Pois tenho certeza de que nem morte, nem vida, nem anjos, nem autoridades celestiais, nem coisas do presente nem do futuro, nem poderes, 39 nem altura, nem profundidade, nem qualquer outra criatura poderá nos separar do amor de Deus, que está em Cristo Jesus, nosso Senhor.

NOTAS:

(1) Não me esqueço de Robert Grant, missionário que vi viver o Evangelho e morrer debaixo do propósito de Deus. Sua família não velou aquele corpo inerte. Veio à reunião da igreja no templo, mas para afirmar que todos deveriam ir embora e voltar no dia seguinte para prestar quaisquer homenagens. Isso se deu debaixo do espanto de todos por se atreverem a deixar o morto sozinho à noite toda. Resistentes, os crentes foram embora.
A tristeza podia ser vista nos olhos da viúva e dos filhos, mas seus rostos serenos denunciavam o consolo do Espírito e a vida de Cristo neles, que submetia ao Senhor todas as coisas. No dia seguinte, o caixão do Rev. Robert não foi aberto, porque tudo já estava resolvido dentro de sua esposa e filhos: ele não está mais aqui. O Senhor o levou ao eterno lar... lá também queremos estar...

TEXTO BÍBLICO:
Romanos 8 - Almeida Século 21:
 http://www.vidanova.com.br/almeida_bibliaonline.asp?livro=45&capitulo=8&versiculo=&versiculoate=&palavra=

FIGURA:
dreamstime.com + inscrição feita por Átila